Rádio Big Rock

Translate

terça-feira, 3 de outubro de 2017

CPM22 apresenta novo álbum em São Paulo

Mais de vinte anos de história, muitos fãs ansiosos e o lançamento do mais novo trabalho, que tem o sugestivo nome “Suor e Sacrifício”. Até aqui, essas já seriam motivações mais que suficientes para comparecer a Audio Club para prestigiar uma das bandas mais queridas do hardcore Nacional – o CPM22. E se alguns  xiitas ainda torcem o nariz para o som dos caras, por ter uma pegada mais melódica, recomendo que não saiam de suas “cavernas”,  até o final dessa resenha. 

A chuva foi impiedosa durante todo o dia e não foi diferente quando a noite se fez presente. Antes do início do evento, a banda atenderia a imprensa, e enquanto esperávamos pelo credenciamento, já era fácil notar a presença de uma movimentada equipe que cuidava dos preparativos para captar imagens do show (O próprio Badaui, vocalista do CPM22, nos informaria mais tarde que as imagens seriam utilizadas em canais de divulgação, como YouTube e outras mídias sociais), e apesar de não ter descartado a possibilidade, a princípio o material não será utilizado para um novo DVD. Aliás, o vocalista foi extremamente simpático e receptivo com todos da imprensa e atendeu a todos os repórteres, sem o menor sintoma de estrelismo, só por isso já merece o prestígio que tem! Em conversa rápida com esse que vos escreve, Badaui comentou o fechamento do Hangar 110, que abrigou vários shows da banda e promoveu muitas outras durante sua rica história. Suas respostas se mostraram bastante coerentes e deram a dimensão do artista adorado por uma geração inteira.
O início do evento estava agendado para às 22H30 e o Tiago DJ, apresentador do programa “Heavy Pero No Mucho” da rádio 89FM, foi o responsável por “aquecer os motores”, e encarnou o papel de mestre de cerimônia, tocando clássicos dos anos noventa como The Offspring e Rage Against The Machine.  Na sequência, o mesmo Thiago anuncia a banda Dance Of Days, que não por acaso foi escolhida como a banda de abertura. Nenê Altro é um personagem com rica história no underground nacional e já esteve à frente de bandas como Seek Terror e Maldita Minoria, além de outros projetos na música e em outras frentes, como poesia e literatura em geral. A apresentação teve como destaques “Vai Ver é Assim Mesmo”, “Lírio aos Anjos” e um trecho de “Dancing With Myself” (Billy Idol). No geral o show foi bom, mas o público testemunhou um Nenê Altro mais contido e comportado. Muito diferente de performances raivosas de outrora. Nesse caso, o destaque ficou para o baixista Adriano Parussulo, que não parou nenhum minuto de pular e correr de um lado para o outro do palco. 



Findada a apresentação de D.O.D, e Thiago DJ retorna ao palco para entreter o público, que já lotava a pista do Audio Club, e mesmo antes de finalizarem os ajustes no palco, já era possível ver os músicos aguardando para iniciar a apresentação, motivo que já causou frisson entre os mais ansiosos. E não demorou muito para que o palco fosse dominado por Badaui, Japinha, Luciano, Fernando e Phill – que já sabiam o que entregar para a plateia. 


As boas vindas ao público, vieram em forma de “Combustível”, primeira faixa do novo álbum, e Badaui já anunciava que viriam outras do mais recente trabalho durante a apresentação. O público vibrou, pois, as novas composições seguem a linha que consagrou a banda. E os caras dominaram a plateia durante todo o show, com um setlist que mesclou músicas do novo disco com clássicos que não podem faltar em nenhuma aparição do CPM22, e foram muitos os destaques “Ser Mais Simples”, “Tarde De Outubro” e “Regina Let´s Go”, que foram injetando adrenalina na galera.



O que se via por parte do público, era uma reação frenética e todos cantando as canções com muita empolgação. Uma versão mais acelerada de “Meu Erro”, dos Paralamas Do Sucesso, foi providencial, pois evidenciou ainda mais o leque de influencia dos caras. Perto do fim, o bis, se soma aos vários momentos marcantes da apresentação, com um final que foi como todos esperavam, com a tão aguardada “Um Minuto Para O Fim do Mundo”. Vale destacar o setlist  que foi muito bem pensado e trouxe à tona o que já é obvio para o que seguem a banda por todos esses anos de estrada – o sucesso conquistado por eles é mais que merecido.




Por: Roberio Lima
Fotos: Roberio Lima
Agradecimento: Willer Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário