Dicas

Translate

24 de dezembro de 2019

Deaf Kids e Test - Sesc Belenzinho – São Paulo (SP) - 22/11/2019

Foto: Roberio Lima
 
Com o intuito de divulgar o seu mais novo trabalho, o Deaf Kids teve no palco do Sesc Belenzinho a oportunidade de apresentar ao público paulista o elogiado “Metaprogramacão” (2019) – lançado pela Neurot Records - selo do lendário Steve Kelly (membro da clássica banda norte americana Neurosis). Para abrir o evento, convidaram o duo grindcore Test, parceiros de velha data e que no ano passado esteve ao lado do Deaf Kids para protagonizar a“No Hope Tour”, quando as duas formações dividiram o palco  em várias cidades do país.
Em eventos no Sesc, todos sabem que a pontualidade é seguida à risca. Por isso, sempre é recomendável chegar mais cedo para tomar uma cerveja gelada ou degustar das opções culinárias que a unidade oferece. Além disso, é sempre bom lembrar do merchandising, que teve uma procura considerável na ocasião.

Com o equipamento montado na beira do palco, o Test, formado por João Kombi (vocal/guitarra) e Tiago Barata (bateria) iniciou sem muito alarde sua apresentação. O público foi se aproximando do palco,  a medida em que o som ia envolvendo o ambiente. Nesse caso, foi possível conferir em suas mínimas nuances o grindcore cheio de experimentações do duo. Ao mesmo tempo em que temos a sensação de uma performance despretensiosa, podemos perceber a preocupação de transformar em música qualquer movimento vindo do palco. Por incrível que pareça, até o silêncio é utilizado de forma constante para contrapor o barulho infernal de outros momentos. 

Foto: Roberio Lima

Desde a primeira aparição em frente ao Carioca Club, quando tocaram para o público que aguardava a apresentação do D.R.I., João e Barata foram aprimorando e expandindo as possibilidades a ponto de em meio a uma das músicas do set, parar para arrumar o microfone da bateria , ou quando deixou o palco para tocar em um outro instrumento montado previamente em meio ao público. Já João Kombi se utiliza de uma guitarra absolutamente deteriorada para extrair os sons mais primitivos e putrefatos que se tem notícia no underground. Como em todas as apresentações da banda, os músicos tem a nítida obsessão de incomodar a audiência com seu som e estética fora do convencional. 

Assim como aconteceu com álbum anterior – “Configuração do Lamento” (2017) - o disco “Metaprogramação” vem elevando ainda mais o prestígio do Deaf Kids na cena alternativa e despertando o respeito e  admiração de gente importante na música, como o já citado Steve Kelly, irmãos Cavallera e Jaz Coleman (Killing Joke). Nesse caso, é até possível afirmar que a lista é maior, mas ficaremos nesses três exemplos. De certa forma, esse é o respaldo necessário para que o trio conquiste cada vez mais espaço. Quem acompanha a carreira da banda, sabe que os rapazes atingiram um outro patamar. 

A produção caprichada de palco aliada a massa sonora produzida pelo Trio,  foi o bastante para contagiar a audiência; - “Lâmina Cortante” veio como uma avalanche, e o cheiro de incenso fez com que a música fosse absorvida de uma forma diferente do habitual. As faixas do novo disco naturalmente dominaram o set list da noite, onde foi possível conferir sons como “Pacto de Máscaras” e “Mente Bicameral”.  O palco é um capítulo à parte e isso provavelmente é o reflexo das últimas turnês na Europa, pois agora o público se integra a uma experiência completa com som, imagem e até (como mencionei algumas linhas acima) o olfato (!) para digerir toda a inquietude do trio. Com formação que conta com Douglas Leal (vocal/guitarra), Marcelo (baixo) e Lucas Mariano (bateria) o palco do Sesc Belenzinho foi o cenário mais uma vez de algo único, e que ficará marcado pelo estética vanguardista. Vamos torcer para que o Sesc em 2020, nos reserve mais atrações desse porte!


Setlist Deaf Kids:

Lâmina Cortante

In My Flash

Pacto de Máscaras

Mente Bicameral

Templo do Caos

Raiz Negativa (Não – Vontade)

Espirais de Loucura I e II


Por: Roberio Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário