Rádio Big Rock

Translate

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Três Olhos Music Festival: Uma ótima opção para quem gosta de boa música!

Produzir um evento cultural em tempos atuais, onde a incerteza econômica e os desmandos políticos dão as cartas, pode ser considerado um ato de grande bravura. Em um país com impostos altíssimos e um sistema burocrático desestimulante, é quase um milagre que alguns projetos se concretizem. Nesse cenário nebuloso, onde um passo em falso pode resultar em um ato suicida, surge mais uma opção de entretenimento. Falo do Três Olhos Music Festival, evento realizado na raça, mas de forma totalmente profissional. Se considerarmos que os idealizadores largaram seus empregos fixos em prol dessa empreitada, podemos ter uma noção da seriedade dos envolvidos. O cast do festival foi caprichado e para termos uma ideia do nível de ousadia dos caras, escalaram Os Mutantes para encabeçar o evento e mais quatro atrações muito coerentes com a proposta do festival. São elas: Cartoon, de Belo Horizonte, Grand Baazar, Dada Yute e Bike – todos de São Paulo.


O Tropical Butantã foi o local escolhido para sediar o evento - próximo ao metrô Butantã - é mais uma ótima opção para shows. Sem muita enrolação, o Bike foi a primeira banda a subir ao palco. Com um som mais viajante e com fortes doses de rock progressivo, agradou de cara aos que chegaram cedo. Destaque para “Montanha Sagrada”, presente no disco “Em Busca da Viajem Eterna”, lançado em 2017. Dada Yute veio na sequência, e trouxe seu reggae esperto para levantar o público que permanecia bastante tímido. Muito comunicativo e a todo momento interagindo com a plateia deu o seu recado. 


Os horários foram seguidos à risca e pouco tempo depois o Grand Baazar já assumia o palco para contagiar o público com sua música denominada por eles como “Música Balkan Brasileira/Micareta Ítalo-Iraniana”. Conseguiram envolver o público em uma inusitada festa cigana. No final foram bastante aplaudidos!


O Cartoon, e seus mais de vinte anos de estrada, prepararam o terreno com sua classe habitual. Um som progressivo altamente refinado, conquistou de imediato o público presente. A extasiante “The Golden Chariot” comprova o nível técnico dos caras e os coloca em patamar privilegiado no panteão do rock progressivo. Alternado músicas cantadas em português e inglês deram uma aula de carisma e justificam seus muitos anos na ativa. “A Dream Of Hope” foi o número final de uma apresentação primorosa.


De imediato a equipe técnica já corre para cuidar dos últimos detalhes, pois seria a vez de Os Mutantes, que como já sabemos, teve a incumbência de encerrar o festival. De forma muito tranquila, Sergio Batista e cia, se posicionam no palco e assumem seus instrumentos para despejar doses nostálgicas em forma de canções que estão entre as melhores coisas já produzidas em nosso pais.  Nos primeiros acordes de “Tecnicolor”, já não era mais possível conter a emoção. Essa apresentação também marcou a estreia da nova cantora Carly Briant, que não conseguia esconder a satisfação por estar no palco. Com uma ‘cozinha’ respeitável, os clássicos da banda eram executados com toda maestria. Como não se empolgar com “Bat Macumba” ou “Ando Meio Desligado”?, só para ficar nas mais populares. O tempo passou rápido demais, e quando nos demos conta, já era hora do último ato, que veio em forma de “Panis At Circenses”. O tempo (sempre ele!), passou de forma abrupta e os que deixavam o Tropical Butantã certamente saiam satisfeitos por participar de mais um grande espetáculo. Mais uma vez, vale destacar o grande esforço dos organizadores para que não houvesse contratempos, o que resultou em uma produção exemplar. O único ponto negativo foi a baixa adesão do público. Talvez o grande número de shows em um curto espaço de tempo seja a explicação, de qualquer forma, vamos torcer para que evento permaneça e vivo!  




Setlist Mutantes:

1- Tecnicolor
2- Bat Macumba
3- A Minha Menina
4- Time And Space
5- Black And Grey
6- El Justiceiro
7- Cantor de Mambo
8- Top Top
9- Jardim Elétrico
10- Balado Do Louco
11- Ando Meio Desligado
12- A Hora E a Vez do Cabelo Nascer


Encore:
13- Panis At Circences



Por: Roberio Lima
Fotos: Roberio Lima
Agradecimento pelo credenciamento: Sarah Mascarenhas - Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário