Dicas

Translate

17 de outubro de 2019

RockFest - Allianz Parque – São Paulo (SP) - 21/09/2019

Foto: Ricardo Matsukawa/ Mercury Concerts

Em ano de Rock in Rio a agenda de shows no país fica bastante movimentada. Em São Paulo então,  a coisa fica ainda mais intensa. Nesse caso, boa parte das atrações do festival Carioca passaram pela cidade. Dos  muitos eventos que aconteceram por aqui, certamente o maior destaque fica por conta do RockFest; - festival que reuniu Scorpions, Whitesnake, Helloween, Europe e os brasileiros do Armored Dawn. O cast inicial contava com o Megadeth, mas infelizmente Dave Mustaine teve que cancelar a agenda da banda para se dedicar ao tratamento de um câncer descoberto recentemente. Em seu lugar, os alemães do Helloween foram escalados para integrar o cast do evento. 

Foto: Ricardo Matsukawa/ Mercury Concerts

O entorno do Allianz Park já estava bastante movimentado desde o início do sábado em que o evento estava agendado para acontecer. Muitos aproveitavam para rever amigos, tomar uma ‘gelada’ ou apenas para ir incorporando o clima do festival. 
Próximo do horário marcado para o início das apresentações, ainda haviam muitos que adentravam a arena. O Armored Dawn trouxe o seu “Viking/Power metal” para o palco e agradou em cheio aos que já estavam acomodados no interior do estádio. A banda, apesar do pouco tempo de existência, já conquistou muitos feitos tocando com formações de renome em turnê pela Europa. O Armored Dawn, conta ainda com dois integrantes do Korzus; Heros Trench (tocando baixo) e Rodrigo Oliveira (bateria).
 O disco “Barbarians In Black”(2018), foi a base da apresentação, mas o público também pode conferir “Ragnarok” do próximo álbum, intitulado “Viking Zombie”. Em meio a uma ótima apresentação, fica impossível não destacar a homenagem para Andre Matos, que teve sua imagem ilustrando o telão no fundo do palco, enquanto a banda tocava “Sail Away”. Uma baita homenagem para um dos maiores personagens da música brasileira. Apresentação marcante para público e banda! 

Foto: Ricardo Matsukawa/ Mercury Concerts

A próxima atração, para esse que vos escreve, ainda era inédita, apesar de já terem tocado no país algumas vezes. Confesso que ver John Tempest e John Norum, do Europe, no palco me emocionou, pois a base de minha fase “roqueira”, teve muita influência desses caras. Mesmo que os discos mais recentes tragam ótimas composições, é inegável, que assim como eu, muitos ali, esperavam ‘aquelas’ canções ‘daquele’ álbum. O setlist foi bem diversificado e mostrou um John Tempest muito descontraído, posando para os fotógrafos, ou quando desceu do palco para sentir de perto a energia da galera. As canções dos trabalhos mais recentes foram muito bem recebidas e vale destacar  “Walk The Earth” e “The Siege”, que antecederam “Rock The Night”, clássico do multiplatinado “The Final Countdown”. A empolgação dos saudosistas se intensificou com “Carrie”, música que serviu para acabar com a bateria de muitos celulares... já o final não poderia ser diferente, e veio com “The Final Countdown”. Um final a altura da história da banda! 

Foto: Ricardo Matsukawa/ Mercury Concerts

Os alemães do Helloween além de substituir o Megadeth, foram responsáveis pelo melhor show do festival. Falo isso sem medo de errar, e a grande quantidade de fãs da banda que ocupava o interior do Allianz, há de concordar comigo.  Todos foram tomados de assalto por uma aula de Power metal. Ver Michael Kiske e Kai Hansen reintegrando a banda, é no mínimo, emocionante! Infelizmente não foi nem sobra do show apresentado no espaço das Américas quando teve 3 horas de duração. Mas Michael Weikath (guitarra) e Markus Grosskopf (baixo); - duas figuras lendárias na história da banda, coordenaram uma sequência de petardos que deixou todos que assistiam - atônitos! A alguns anos atrás seria impossível imaginar Andi Deris e Michael Kiske dividindo os vocais da banda, mas hoje chega a emocionar ver os dois cantando “Future World”, só para citar um exemplo. O final veio com “I Want Out”, e mais uma vez me fez viajar no tempo quando assistia exaustivamente o clip desse clássico no saudoso “Fúria Metal”. Esse show certamente deixou o público sem voz. 

Foto: Ricardo Matsukawa/ Mercury Concerts

Começo a acreditar que David Coverdale estava entre os que perderam a voz no show do Helloween... brincadeiras a parte, mas o Whitesnake mesmo com seus eternos clássicos, não foi nem sombra do que já foi um dia. Coverdale é constantemente amparado pelos vocais de apoio de Michele Luppi (teclados) e Reb Beach (guitarra). Tommy Aldridge, no auge de seus quase setenta anos, continua um monstro e ‘bate’ muito forte em seu instrumento. Que vitalidade meus amigos!! O Whitesnake vem promovendo o recém lançado “Flash & Blood”, trabalho mediano, se comparado aos demais discos da história da banda. Que fique claro que não tenho a intenção aqui de ridicularizar ou denegrir a imagem de Coverdale. O homem é referência absoluta na música, mas temos que convir que está bem complicado ver uma apresentação da banda, sem sentir saudade dos tempos áureos. O fato é que muitos se divertiram. Nesse caso o objetivo foi mais que atingido.... Ah! Claro que tocaram “Love Ain’t no Stranger”, “Give All Your Love” , “Is This Love” e por aí vai...finalizaram o set com “Burn”, e não duvidem que a  ‘massa’ aplaudiu como se estivesse ouvindo o disco... 

Foto: Ricardo Matsukawa/ Mercury Concerts

Última atração da noite, o Scorpions já até fez turnê de despedida, mas continua na estrada. Sem delongas e pontualmente às 22h, entraram no palco tocando “Going Out With a Bang” do últimos disco “Return to Forever” (2015). A voz de Klaus Meine também já não é a mesma de outrora, mas não compromete. “Make It Real” e “The Zoo” foram deixando as coisas muito interessantes. O medley com “Top Of The Bill”, “Steamrock Fever”, “Speedy’s Coming” e “Catch Your Train” foi matador!!
Os momentos mais intimistas ficaram por conta das baladas, e nesse quesito o Scorpions é uma das maiores referências! “Send me A Angel” e “Wind Of Change” foi a dobradinha que estimulou os casais a eternizar aquele momento. 
Aqui vale fazer um ‘parêntese’ para mais nostalgia. Mikkey Dee agora comanda as baquetas do grupo alemão. E vamos concordar que melhor escolha seria muito difícil! Quem já esteve em um show do Motörhead deve ter sentido aquele friozinho na barriga durante o solo de bateria monstruoso do músico. 
Após o espetáculo particular de Mikkey Dee, uma sequência de clássicos que contou com “Blackout”, “Big City Nights”, “Still Love You” e “Rock Like a Hurricane” - para encerrar uma noite indiscutivelmente marcante! 

O sentimento de nostalgia que se fez presente durante todo o festival, só intensificou a adrenalina e o saudosismo desse velhinho que vos escreve. E posso garantir que essa sensação é indescritível!!



SCORPIONS

01. Going Out With A Bang
02. Make It Real
03. The Zoo
04. Coast To Coast
05. Top Of The Bill / Steamrock Fever / Speedy's Coming / Catch Your Train
06. We Built This House
07. Send Me An Angel
08. Wind Of Change
09. Tease Me Please Me
10. Solo de bateria
11. Blackout
12. Big City Nights
13. Still Loving You
14. Rock You Like A Hurricane


WHITESNAKE

01. Bad Boys
02. Slide It In
03. Love Ain't No Stranger
04. Hey You (Make Me Rock)
05. Slow An' Easy
06. Troube Is Your Middle Name
07. Duelo de guitarra
08. Shut Up & Kiss Me
09. Solo de bateria
10. Is This Love
11. Give Me All Your Love
12. Here I Go Again
13. Still Of The Night
14. Burn (Deep Purple cover)


HELLOWEEN

01. I'm Alive
02. Dr. Stein
03. Eagle Fly Free
04. Perfect Gentleman
05. Ride The Sky
06. A Tale That Wasn't Right
07. Power
08. How Many Tears
09. Future World
10. I Want Out


EUROPE

01. Walk The Earth
02. The Siege
03. Rock The Night
04. Scream Of Anger
05. Last Look At Eden
06. Ready Or Not
07. War Of Kings
08. Carrie
09. Hole In My Pocket
10. Superstitious
11. Cherokee
12. The Final Countdown


ARMORED DAWN

01. Beware of the Dragon
02. Chance to Live Again
03. Heads are Rolling
04. Animal Uncaged
05. Sail Away
06. Ragnarok
07. Gods Of Metal
08. Rain of Fire


Por: Roberio Lima

Agradecimento pelo credenciamento: Simone Catto / Denise Catto - Catto Comunicação / Mercury Concerts

Nenhum comentário:

Postar um comentário