Translate

22 de outubro de 2021

Malvada: Confira as novas datas da turnê de "A Noite Vai Ferver"

Foto: Pri Secco


A banda feminina Malvada, que lançou recentemente seu primeiro álbum intitulado "A Noite Vai Ferver" em todas as plataformas digitais e em CD pela Shinigami Records, divulga as novas datas da sua turnê de lançamento. Lembrando que as casas vêm seguindo todos os protocolos de saúde.


Confira abaixo os shows confirmados:

22/10 - Indaiatuba - The Hops Cervejaria

23/10 - São Paulo - Produssom (live Prefeitura)

30/10 - Santo André - Santo Rock Bar

04/11- Mogi das Cruzes - Buxixo Bar

05/11- Guarulhos - Black Rock Burguer

06/11- Poá - V8 A Casa do Rock

13/11- Mogi das Cruzes - Buxixo Bar

14/11- Santo André - Santo Rock

26/11- Uberaba - MG - Soho Pub

27/11- Franca - The Roots

03/12 - Mogi das Cruzes - Buxixo Bar

10/11- Sumaré - Jack Club

11/12 - Sorocaba - Bar da Garagem

17/12 - Santo André - Santo Rock

19/12 - São Paulo - Carioca Club


Para agendar show da Malvada em sua cidade, entre em contato com tc7producoes@gmail.com


Assista o videoclipe de “A Noite Vai Ferver”:


A formação da Malvada traz Angel Sberse (vocal), Bruna Tsuruda (guitarra), Ma Langer (baixo) e Juliana Salgado (bateria).


Para saber mais sobre a Malvada, siga seus canais oficiais:

www.malvadabanda.com.br

www.facebook.com/malvadabanda

www.instagram.com/malvadabanda

www.youtube.com/channel/UCFaBzoi_LSL3rru6LtfxL_g

www.facebook.com/tc7producoes/

www.facebook.com/lpmetalpress/


Agradecimento: Luciano Piantonni - Lanciare Comunicação

Monolito Project lança álbum 'First Principles'; Ouça nas plataformas digitais

Foto: Reprodução


Concebido pelo guitarrista Augusto Rocha, o Monolito Project lançou em Maio de 2021 seu álbum de estreia “First Principles” em todas as plataformas digitais. Com o propósito de aquecer a banda, Augusto promete novos lançamentos de vídeos até o final do ano. Com o intuito de revisitar ideias e riffs criados ao longo de anos, o produtor organizou ideias antigas em músicas inéditas, aproveitando-se da facilidade nos dias de hoje através de plataformas de streaming.

Cada faixa carrega inspirações de momentos distintos ao longo dos anos. ‘Outbreak’, por exemplo, foi a última composição a entrar no álbum e tem espinha dorsal em um dedilhado criado há 5 anos, tem uma reviravolta após o solo com riff dos tempos de faculdade e uma pegada geral muito influenciada pelo clima mais recente da pandemia. Uma viagem no tempo”, explicou Augusto Rocha.


Ouça Monolito Project: https://linktr.ee/monolitoproject

Assista “Outbreak”: 


Assista “A Gladiator’s Tale”: 


Assista “Underworld”:


Assista “The Fight”: 



Quatro singles foram lançados anteriormente ao lançamento do álbum, antecipando um álbum pesado, com predominância de linhas Thrash Metal, cheio de experimentalismos, ritmos e climas, além de toques do metal moderno, Prog Metal e arranjos clássicos, fazendo uso de instrumentos analógicos e digitais, todos executados ou programados pelo próprio artista.


Biografia:

Engenheiro de formação e músico de paixão, Augusto toca guitarra desde a adolescência, quando teve suas primeiras experiências tocando em bandas, fazendo shows e até mesmo rascunhando suas primeiras músicas. Ao longo da faculdade e nos anos que se seguiram, além da guitarra, também dedicou tempo a aprender outros instrumentos, como bateria e violino. Suas influências mais remotas incluem bandas como Iron Maiden, Megadeth, Slayer, Faith No More, Metallica e Sepultura, ao mesmo tempo em que a admiração por compositores clássicos, como Mozart, completa a mistura.

Autodidata e curioso, depois de anos registrando ideias e fragmentos musicais próprios, o músico decidiu não apenas encarar o desafio de mesclar ideias antigas com novas criações para estruturar canções completas, mas também tocar todo o processo de gravação e produção sozinho, usando esse projeto como oportunidade para aprender coisas novas e se atualizar no assunto.

Foi um baita desafio conciliar trabalho, família e este projeto. A falta de tempo e as restrições impostas pela pandemia acabaram tornando natural o caminho de tentar resolver tudo sozinho, do meu jeito e no meu ritmo, aproveitando para aprender mais sobre tudo aquilo que vem além da criação de um riff bacana e que materializa essas ideias em músicas que soam bem e ao alcance de todos”, disse Augusto.

Augusto conheceu mais sobre o processo de publicação online, dos aspectos técnicos aos papéis e responsabilidades de cada ator da rede, como sociedades de direitos autorais, distribuidores digitais e plataformas de streaming. Além disso, foi também uma oportunidade dele aprender mais sobre a própria produção musical. Gravar, mixar, masterizar, todos grandes desafios sobre os quais pouco conhecia em um universo tão amplo que realmente se justifica a existência de grandes músicos, profissionais e especialistas em cada etapa.


Monolito Project nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/monolitoproject/

Instagram: https://www.instagram.com/monolitoproject/


Agradecimento: TRM Press

Marinas Found lança videoclipe do single "Tanto Faz"

Foto: Divulgação


A música "Tanto Faz" é o segundo lançamento da Marinas Found em 2021. O single segue a produção totalmente independente da banda, contando com a produção/mix/master do vocalista e guitarrista Pedro Soler, sendo essa sua segunda música produzida.  A faixa enérgica mas ao mesmo tempo séria e com um tom de melancolia, aborda os sentimentos de ver a vida passar e almejar viver o que já passou novamente, sentimento tão presente nos últimos anos com a pandemia. 

Com pegada pop punk, gênero com o qual a  Marinas Found  sempre se relacionou de alguma maneira, porém com uma roupagem e veia também do hardcore melódico, seguindo a linha trabalhada pelo quarteto nos últimos anos, com uma intensidade e uma visceralidade maior. O single é o segundo lançamento também da nova formação da banda, composta por: Pedro Soler - Voz e Guitarra, Eduardo Walerko - Guitarra e Voz, Mike Pires - Baixo e Voz e Murilo Uarth - Bateria.

A proposta inicial do clipe de "Tanto Faz" era de mostrar as interações pessoais da banda e mundanas aliadas a uma performance visual simplificada da música. O objetivo se difere um pouco, uma vez que mais gravações foram feitas e com mais ideias sendo abordadas. Novamente há uma colaboração entre o Soler e o Walerko na direção e nas visões criativas e usando o espaço da casa do Soler como set novamente, dando “continuidade” nas estéticas da banda.

Unindo falas sobre os anseios pessoais e os sociais, a Marinas Found faz um hardcore/punk/pop punk enérgico que lembra os sons já renomados do gênero nos anos 90 e 00. Formada por quatro amigos da cidade de Pelotas (RS) em 2014, a banda lançou seu primeiro álbum em 2017 e o segundo, o Ansiolítico, em 2019. O último trabalho da banda trouxe uma profundidade maior sonoramente e liricamente, o que fez com que a banda tivesse uma expressão maior no underground gaúcho.

Em 2021 a banda já apareceu com uma participação pesada da música Desorganizado na coletânea Alforge Records, n°1 além do single Tanto Faz abraçando as origens no pop punk. Atualmente a banda se prepara para o lançamento de mais dois singles até o final do ano, assim como uma turnê assim que for permitido com o fim da pandemia. Nos últimos anos a banda vem recebendo reconhecimento no underground gaúcho, pela sua vibe incansável, crítica e enérgica.

Foto: Reprodução


Confira o clipe e single "Tanto Faz": 



https://open.spotify.com/album/6OcZta6aTIfbYKLbnEREbg


Agradecimento: Collapse Agency

Vespas Mandarinas faz show de pré-lançamento do novo disco

Foto: Reprodução

Álbum Cala Boca Já Morreu será lançado dia 12 de novembro pelo selo e produtora Orangeira Music



Vespas Mandarinas retorna aos palcos após dois anos com show de pré-lançamento do álbum 'Cala Boca Já Morreu'. A apresentação, gratuita e a partir das 19h, é neste sábado (23/10), no estacionamento do Shopping Mogi, em Mogi das Cruzes (SP).

Esta será a primeira apresentação ao vivo para público da banda, que não fez shows durante a pandemia.

O último show havia sido realizado no dia 11 de outubro de 2019, no Sesc Belenzinho, onde foi registrado ao vivo o álbum “Cala Boca Já Morreu Ao Vivo”.

O disco será lançado dia 12 de novembro pelo selo e produtora Orangeira Music.

Em recente entrevista a um jornal de Mogi das Cruzes, o frontman Thadeu Meneghini falou um pouco desta apresentação: “A gente vai fazer um show híbrido com clássicos do nosso rock nacional, que dizem coisas atuais e que precisam ser ditas, além de musicas do nosso álbum Animal Nacional, indicado ao Grammy Latino de 2013, e do Álbum Daqui Pro Futuro de 2017".


Último lançamento:

O single 'Santa Sampa (ao vivo)', com participações das cantoras Cyz Mendes (Plutão Já Foi Planeta) e Maria Bia, é o mais recente lançamento das Vespas Mandarinas.

A música foi gravada neste show do Sesc Belenzinho que vai se transformar no disco "Cala Boca Já Morreu Ao Vivo". Ouça 'Santa Sampa (ao vivo)' aqui: https://spoti.fi/3yxre5s.


Recentemente a banda também lançou os singles 'Distraídos Venceremos' e 'Carranca', que se juntaram aos singles 'Retroceder Nunca (Render-se Jamais)' e 'E Não Sobrou Ninguém', todos ao vivo. Ouça aqui: https://spoti.fi/3yz9u9L.

Mais informações: https://www.instagram.com/vespasmandarinas


Serviço:

Vespas Mandarinas dia 23 de outubro em Mogi das Cruzes (SP)

Data: 23 de outubro de 2021

Horário: 19 horas

Local: estacionamento do Shopping Mogi

Endereço: Avenida Ver. Narciso Yague Guimarães, 1001 - Jardim Armenia, Mogi das Cruzes (SP)

Entrada gratuita


Agradecimento: Erick Tedesco - Tedesco Comunicação e Midia

CAZAS DE CAZUZA: 21 anos depois de sua estreia, Musical Tributo a Cazuza está de volta aos palcos brasileiros com novo elenco

Foto:Rbert Schwenck


Já se passaram 31 anos desde que Cazuza, um dos maiores poetas da história da música brasileira, nos deixou. Suas letras e canções, sua imagem irreverente e, principalmente, sua mensagem, deixaram uma marca e um legado único na história da MPB, transformando-o em um ícone jovem, cuja obra transcende o tempo e permanece viva.

Dez anos após sua morte, Cazuza recebeu uma das maiores homenagens, o musical tributo “Cazas de Cazuza”, escrito e montado em 2000, na virada do milênio, por um grupo de jovens artistas, tendo à frente o diretor e compositor Rodrigo Pitta, que gerou um grande sucesso e uma enorme repercussão na época, sendo visto por 80 mil pessoas. Vinte e um anos depois, o espetáculo está de volta, em nova montagem e com um novo elenco, escolhido em diversas audições realizadas no Vivo Rio.

Em dois atos, o musical mostra a história de oito personagens, Mia, Enrico, Justo, Bete, Deco, Vera, Ernesto e Dornelles, que vivem no Baixo Leblon, no Rio de Janeiro, abordando temas como preconceito, sexo, drogas, amor e desemprego presentes nas 20 músicas de Cazuza, entre elas “O Tempo não para”, “Pro Dia nascer Feliz”, “Um Trem para as Estrelas”, “Codinome Beija-Flor”, “Ideologia”, “Bete Balanço” e “Brasil”.


Essa nova montagem de “Cazas de Cazuza” deveria ter estreado em 2020, como parte das comemorações dos 30 anos da morte do poeta. Com o cronograma alterado pela pandemia e o atraso de mais de um ano, novas audições foram necessárias. Com participação especial de Paulinho Serra, que viverá Dornelles, os papéis principais serão interpretados por  Fernando Prata ( Enrico),Yan Dufau (Deco), Jade Baraldo (Bete Balanço), Leandro Bueno (Justo), Julianne Trevisol (Mia), Janamo (Vera) e Alexandre Damascena (Ernesto).

Dois componentes do elenco da versão original estarão na nova montagem, o ator Fernando Prata que interpretou Enrico em 2000, volta a viver o papel do poeta desempregado 21 anos depois. A versão 2021 terá como Diretor Musical o cantor e compositor Jay Vaquer que fez parte do elenco da montagem original no papel de Justo.

O espetáculo retorna para três grandes apresentações no Vivo Rio nos dias 20 de Novembro, 3 e 4 de Dezembro. Mas já a partir de outubro se apresenta, em versão adaptada, dentro da programação do festival itinerante “Rock Brasil – 40 anos”, nos dias 28 e 29 de outubro no CCBB Rio de Janeiro; 16 e 17 de fevereiro de 2022 no CCBB Belo Horizonte; 31 de março e 1º de abril no CCBB São Paulo e 26 e 27 de maio no CCBB Brasília.


O Espetáculo:

Escrito e dirigido por Rodrigo Pitta, então com 22 anos, “Cazas de Cazuza” chamou atenção por apresentar uma genuína e pioneira “ópera-rock” nacional com arranjos e textos inéditos, que ousava transformar canções de rock emblemáticas em um musical  “estilo Broadway”, muito antes do Brasil ter se transformado em um polo consumidor e criativo de espetáculos do gênero.

Com arranjos  vocais e instrumentais de Daniel Salve, a versão original contava com um elenco afiado e afinado, formado por atores e cantores desconhecidos da mídia, do teatro ou da TV, foi outro fator que fez o espetáculo se transformar em um fenômeno e lotar grandes casas de espetáculo e teatros como o Tom Brasil em São Paulo e o Canecão no Rio de Janeiro por várias semanas. No elenco original estavam Jay Vaquer, Lulo Scroback, Debora Reis, Rosana Pereira, Bukassa Kabenguele, Fernando Prata e Vanessa Gerbelli.

“Cazas de Cazuza” causou “furor” como se dizia antigamente,foi fenômeno de público e teve excelentes críticas, reuniu em sua platéia uma gama impressionante de personalidades como Caetano Veloso, Ney Matogrosso, Gilberto Gil, Moraes Moreira, Marilia Pera, e seu elenco foi convidado para se apresentar em programas como os de Fausto Silva, Jô Soares e Hebe Camargo, entre muitos outros lideres de audiência. Por onde passou, o espetáculo ganhou destaque na capa de jornais, chegou a virar tema de tese em universidade e, até hoje, é grande o número de pessoas que gostaria de revê-lo ou assisti-lo pela primeira vez.

Em menos de 50 apresentações, “Cazas de Cazuza” realizou  o sonho de jovens desconhecidos mas, desde então, nunca mais foi assistido. Sua trilha sonora, agora disponível nos serviços de Streaming, foi lançada em CD pela SOM LIVRE, fato raro na época, para uma produção teatral nacional. Em escolas de teatro musical como a CEFTEM, no Rio de Janeiro, o espetáculo é cultuado por uma geração que nem havia nascido quando foi montado.

"Cazas de Cazuza foi a primeira grande homenagem feita a Cazuza e agora, 21 anos depois, ainda é tão atual! Eu fui ver todos os dias no Canecão e a cada dia era uma nova  emoção. Não é uma biografia, não é um filme, são variações sobre um mesmo tema falando das várias facetas do Cazuza. É um musical muito bonito e vocês não podem perder, corram para comprar os ingressos”, declara Lucinha Araújo, Presidente da Sociedade Viva Cazuza e mãe do cantor.


MAIS INFORMAÇÕES:

ROCK BRASIL 40 ANOS


– 28 e 29 de outubro no CCBB Rio de Janeiro

– 16 e 17 de fevereiro de 2022 no CCBB Belo Horizonte

– 31 de março e 1º de abril no CCBB São Paulo

– 26 e 27 de maio no CCBB Brasília.


Telefone:      (21) 3808-2020.

Ingressos:    Exposições e filmes – entrada franca

Peças e pocket shows – R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia).

*Compra e retirada de ingresso para eventos gratuitos devem ser feitas pelo site eventim.com.br

*Venda de ingressos para teatro e pocket-shows começam com 10 dias de antecedência da data marcada.


Agradecimento: Midiorama

Saxon: “Denim and Leather”, biografia já está disponível pela Estética Torta

Foto: Estética Torta

Escrita por Martin Popoff, jornalista canadense especializado em música pesada, a biografia revela detalhes dos primeiros dez anos do Saxon



Lançado pela editora Estética Torta, a biografia “Denim And Leather – Os 10 primeiros anos do Saxon”, conta em detalhes os dez primeiros álbuns da lendária banda inglesa Saxon e pioneira da New Wave of British Heavy Metal. O livro foi lançado com capa dura e acabamento de luxo.

Compre “Denim And Leather – Os 10 primeiros anos do Saxon”: https://esteticatorta.lojavirtualnuvem.com.br/produtos/livro-denim-and-leather-os-10-primeiros-anos-do-saxon/


Na biografia, o leitor irá ler em detalhes o que Biff Byford (vocal), Graham Oliver (guitarra), Paul Quinn (guitarra), Steve Dawson (baixo) e Pete Gill (bateria), criaram e desenvolveram nos dez primeiros anos do Saxon.

A obra foca a primeira década de produção com os álbuns “Saxon”, “Wheels of Steel”, “Strong Arm of the Law”, “Denim and Leather”, “Power & the Glory”, “Crusader”, “Innocence Is No Excuse”, “Rock the Nations” e “Destiny”. A biografia tem capítulos autônomos, em que Popoff desconstrói cada música em ambos os lados do vinil original, sem esquecer as faixas bônus e os lados B, bem como o material ao vivo, incluindo “The Eagle Has Landed”.

São mais de 350 páginas com muito conteúdo específico sobre os álbuns, entrevistas inéditas, fatos curiosos da banda e dados inéditos sobre os álbuns que compreenderam os dez primeiros anos do Saxon.


Sobre Martin Popoff:

Martin escreveu mais de 100 livros, incluindo biografias do Rush, Motörhead, Iron Maiden, Whitesnake etc. Ele também trabalhou em vários projetos para a Banger Films, incluindo o premiado documentário “Beyond the Lighted Stage”. Popoff publicou mais resenhas de álbuns em livros (aproximadamente 7.900) do que qualquer pessoa na história.


Links relacionados:

Site Oficial: https://esteticatorta.lojavirtualnuvem.com.br/

Instagram: http://instagram.com/esteticatorta

Facebook: https://www.facebook.com/esteticatorta


Agradecimento: TRM Press

Impavid Colossus compartilha versão de “Rise and Fall” ao vivo no Family Mob Studio

Foto: Divulgação

Single é uma amostra do primeiro álbum ao vivo da banda, que chega em novembro



Após o sucesso estrondoso de Prologue, primeiro álbum de estúdio dos paulistanos do Impavid Colossus, a banda compartilha com “Rise And Fall” o primeiro gosto para os fãs de seu próximo projeto: um disco ao vivo gravado no Family Mob Studio, em São Paulo, que chega em novembro via Wikimetal Music. 

"Ensaiamos na pressão como se fosse um show, revezando e dobrando os vocais para ter o respiro certo entre as frases e mais pressão do que no disco de estudio”, o guitarrista Marcelo Barchetta relata. “A gente gostou muito do resultado!

OUÇA AGORA “RISE AND FALL (LIVE AT FAMILY MOB STUDIO)”! 


O que muitos não sabem é que a banda, nascida poucos meses antes da pandemia, só voltou a ensaiar novamente este ano, com o avanço das vacinas, marcando um momento importante na carreira da banda, e sendo uma prévia para os próprios artistas de como irão acontecer os shows de Prologue. 

Com produção de André "Kbelo" Sangiacomo, responsável pela mixagem do disco Liberta do Rancore, banda que Marcelo e Alexandre Iafelice fizeram parte, e de Otávio Rossato. A mixagem  ficou a cargo do próprio Kbelo e de Juninho Costa, e masterização, por sua vez, ficou a cargo do premiado no Grammy Awards, Carlos Freitas, da Classic Master USA.  A banda ensaiou por 5 meses até o dia 10 de agosto de 2021, para entregar um álbum ao vivo sonoramente e visualmente imersivo para os fãs.

Foto: Reprodução


Impavid Colossus é composta por Enrico Minelli (vocais), Marcelo Barchetta (guitarra), Felipe Ruiz (guitarra), Guilherme Malanga (baixo) e Alexandre Iafelice (bateria), têm uma longa carreira musical, e já fizeram parte de bandas renomadas no cenário nacional e internacional, como Cruz, Owl Company, Rancore e Supla, tendo a oportunidade de tocarem em diversos palcos pelo mundo e gravar com produtores de peso como Matt Wallace e Jay Baumgardner.

Com a experiência em bandas renomadas, uma intensa paixão pela música, e a influência de diversos gêneros que trazem um equilíbrio sonoro clássico e moderno, o Impavid Colossus inicia com muita força uma nova fase da banda contrariando ao vivo, em cores e no volume máximo que o rock está mais vivo do que nunca.


Agradecimento: Simone Catto / Denise Catto - Catto Comunicação / ForMusic