Rádio Big Rock

Translate

27 de setembro de 2018

Brasil x Alemanha também no metal

Foto: Divulgação

No último domingo, 23 de setembro, tivemos uma noite espetacular de metal com as bandas Nervosa e os lendários alemães do Destruction.
Entre mendigos, cães e um cheiro insuportável que vinha dos ralos do centro de São Paulo, a fila estava gigantesca para adentrar a simpática casa Espaço 555, na mítica Avenida São João.

Com um atraso de praticamente duas horas, os portões se abriram para os headbangers conferirem essa noite incrível de thrash metal.
Mais tarde ficamos sabendo pelo vocalista do Destruction, que o atraso se deu em função da companhia aérea Latam ter atrasado todos os voos, a banda estava cansadíssima, nem conseguiram dormir, estavam vindo de outro show em Manaus, mas pelo amor ao metal estavam mais empolgados do que nunca e fizeram um grande show. 

Quando entramos na casa de shows, a banda Nervosa estava passando o som, com cara de poucos amigos. Fernanda Lira (baixista e vocalista) disse durante o show da banda que por pouco não teve show, o atraso da companhia aérea foi gigantesco.

Após conferirmos os merchan das bandas, o público se posicionou para assistir o show. Parecia que o ar condicionado não estava em perfeito estado, pois começamos a suar antes mesmo dos shows começarem.
O Espaço 555 que durante a semana recebe shows de outros estilos, a exemplo do Carioca Club, é um lugar bem bonito e com uma boa acústica para shows.

A primeira banda a se apresentar foram as brasileiras da Nervosa. Com sangue nos olhos, e uma postura de uma banda que vive em turnê pelo mundo inteiro, o power trio feminino só não fez chover. Com um som de várias influências de death metal, thrash, a banda agradou a quase todos, pois ainda existem aqueles "donos da verdade" que ficam de braços cruzados e morrendo de inveja de 3 garotas que poem muita banda no chinelo.

Fernanda Lira, Prika Amaral (guitarrista) e Luana Dametto (baterista) fizeram um setlist mesclando canções dos três álbuns lançados. Fernanda não para de se mexer um minuto, fazendo suas poses demoníacas e engraçadas, uma autêntica frontman que foi criada na escola do heavy metal, o som do seu baixo estava poderosíssimo, Prika destilava seu ódio nos belos riffs que ficam em nossa mente. E o que falar da batera Luana?! Um monstro, com o pedal duplo de arrancar nosso coração, uma velocidade e uma técnica impressionante. 
Fernanda agradeceu o público que não parava de se quebrar no mosh pit, apesar de todos os contratempos, a banda deixou o sangue no palco, e o mais legal foi no final o enorme "toma essa" que a Fernanda mandou para todas as dificuldades que a banda enfrentou, e conseguiram sair vitoriosas mais uma vez.


Foto: Renan Facciolo



A banda mais esperada da noite, o Destruction entrou anunciando o caos. O grupo formado em 1982, faz parte do big four do thrash metal alemão composto por Kreator, Sodom, Tankard e o próprio Destruction. 
A banda que não vinha para o Brasil desde 2016, deixou os metalheads sedentos pela aula de metal, não tem como não se empolgar com os exímios instrumentistas Schmier (baixo e vocal), Mike Sifringer (guitarra) e Randy Black (batera). O power trio não cansou de elogiar os paulistanos, "o público de São Paulo sempre foi o melhor... vocês nunca nos decepcionam".
Emendando uma música na outra, como é de praxe, não deixaram ninguém respirar com uma overdose de thrash de primeiríssima qualidade. Tocando os clássicos de toda a carreira de mais de 35 anos, muitas vezes Schmier brincou que a maioria das pessoas que estavam ali nem eram nascidas quando as primeiras músicas do Destruction foram lançadas. Um momento hilário aconteceu quando o vocalista pediu uma cerveja, o roadie trouxe uma Budweiser, e:"isso não é cerveja!", e jogou a garrafa de cerveja na plateia. Alemão entende de cerveja. Não podemos discordar. 
Com solos de bateria de Randy Black, um baterista fenomenal que tocou nas seminais bandas Annihilator e Primal Fear, e a combustão de puro metal da banda, foi difícil não mexer a cabeça nessa grande performance do trio alemão. 

Obrigado deuses do metal por terem inventado esse estilo e nós os fãs sempre saímos felizes da vida com esse estilo de vida.



Setlist Nervosa:

Horrordome
Death!
Enslave
Hostages
Masked Betrayer
Never Forget, Never Repeat
Vultures
Kill the Silence
Fear, Violence and Massacre
Intolerance Means War
Into Moshpit



Setlist Destruction:

Curse the Gods Intro
Curse the Gods
Armageddonizer
Tormentor
Nailed to the Cross
Mad Butcher
Dethroned
Life Without Sense
Release from Agony
Eternal Ban
Total Desaster
Drum Solo
Antichrist
Black Mass
Thrash Attack
The Butcher Strikes Back


Encore:
Thrash Till Death
Invincible Force
Bestial Invasion




Por: Pedro Pellegrino

Agradecimento pelo credenciamento: Luciano Piantonni - Lanciare Comunicacao

Nenhum comentário:

Postar um comentário